quarta-feira, 20 de junho de 2007

Amor ao ar livre


A ida do meu marido nas férias atrapalhou os meus planos com o Carlos. Nossa intenção era aproveitarmos muitas tardes juntos fazendo sexo ao ar livre, nas praias mais desertas da cidade, mas depois da aventura no quintal da casa dos conhecidos dele não consegui mais folga para encontrá-lo.
Estávamos apaixonados e vivíamos infelizes e insatisfeitos nossos casamentos. Não nos vermos, não nós encontrarmos, não conversar e não extravassar nossos sentimentos era muito difícil e nos causava sofrimento.

Todos os dias ele passava de carro no local da praia onde eu ficava. Passava devagar e olhando. Eu ficava toda nervosa com medo que alguém percebesse e desconfiasse. Uma vez consegui driblar o pessoal e falei rapidinho com ele, não não deu nem para trocar um beijo gostoso.

Todos as tardes ele passava na frente da casa em que eu estava hospedada e buzinava, mas não dava para fugir. A cada dia que passava eu ficava mais frustrada.

A noite a tortura aumentava pois iamos ao mesmo local tomar uma cervejinha e dançar. Ficávamos nos olhando de longe. Duas vezes conseguimos fugir um pouquinho e nos encontramos atrás dos carros estacionados. Mas dava apenas para trocar uns beijos e fazer umas pequenas carícias íntimas e trocar juras de amor. Tudo muito rápido.

As férias estavam terminando e eu não me conformava com aquela situação. Dois dias antes de retornar das férias resolvi que ia me encontrar com o Carlos naquela tarde, custasse o que custasse. Não estava mais agüentando de tanto tesão. Minha buceta latejava e tremia de tanta vontade de fuder com ele e sabia que ele também estava louco de vontade de me ter.

Chegamos de volta da praia às 13 horas e fingi que estava com muita cólica. Já vim da praia dizendo que estava sentindo umas dores estranhas na barriga. Quando o marido entrou no banheiro pedi que desse banho nas crianças porque eu não estava me sentindo bem. Mal ele entrou no banheiro peguei as chaves do carro e disse que iria até a farmácia comprar um remédio.

Saí cantando os pneus e ultrapassando todos os limites de velocidade. Não tinha tempo a perder. Tinha dito ao Carlos que iria dar um jeito e sabia que ele estava atento. Passei em frente à casa dele e buzinei. Quando dei a volta no quarteirão ele já estava saindo com o carro. Deixei-o passar na minha frente e o segui. Ele dirigiu até uma praia mais ou menos perto, mas que a tarde era completamente deserta quando a maré estava baixa.

Estacionamos os carros e nem nos falamos de tanta que era nossa ansiedade e desejo. Carlos foi andando até um local, já beirando o mangue, onde havia vegetação suficiente para nos encondermos de olhares curiosos. Eu o segui. O coração batia acelerado, o corpo todo tremia de tanto desejo. Assim que nos vimos protegidos da vista de alguém caímos nos braços um do outro.

Ele estava de short e camiseta e eu de biquine e camiseta por cima. Tiramos a roupa rapidamente e nos abraçamos com sofreguidão. A saudade era enorme e o tesão maior ainda. Carlos já estava com o pau totalmente duro e eu lubrificada de tanta excitação.

Não fizemos preliminares. Carlos me pegou nos braços, me encostou numa árvore, levantou minha perna e enfiou o pau em mim. Dei um grito alto sentindo aquele pau duro enfiando em mim com toda força e ímpeto.

Carlos metia sem parar, fortemente e ao mesmo tempo falava alto e olhando nos meus olhos: minha fêmea, minha puta, estava louco de vontade de enfiar em você e sei que você estava louca por ter o seu homem dentro de você, te fudendo muito. Toma, putinha, toma meu pau que ele é todo seu. Grita, minha puta, grita com teu macho te fudendo gostoso. Ele tinha um jeito todo especial de me dizer coisas obscenas e lindas ao mesmo tempo. E sabia que eu adorava aquilo e ficava mais tarada por ele quando ouvia aquilo tudo.

Bruscamente Carlos tirou o pau de dentro de mim, se ajoelhou e caiu de boca na minha buceta, que estava completamente melada de tanto que eu já tinha gozado.

A ânsia com que ele me chupava era enlouquecida, parecia que aquela era a primeira e a última vez que ele aproveitava a bucetinha da sua fêmea. Carlos enfiava a língua no meu buraquinho indo muito lá dentro. Ia tão fundo que sua barba e bigode roçavam a minha xaninha por fora aumentando o prazer que eu sentia. Ele alternava a enfiada da língua com chupadas fortes no meu grelinho, que nessa altura estava grande, de tão inchado de tesão.

Quando eu já havia gozado muito com a chupada, pedi pra ele parar e foi a minha vez de senti-lo na minha boca. Ele se levantou e eu me ajoelhei. Peguei o pau dele com a mão, alisando com carinho e enfiei na boca. Engoli ele todinho. Sentia a cabeça do pau dele encostando na minha garganta. Chupei muito me deliciando com o sabor daquele pau misturado com o líquido da minha buceta. Ele continuava a me estimular com as coisas obscenas que falava em alto e bom tom. Adorava quando ele me chamava de sua fêmea, de sua putinha gostosa. Ele tirou o pau da minha boca quando sentiu que estava quase para gozar.

Andamos mais um pouco para encontrar outra local onde pudéssemos ajustar nossos corpos de modo a favorecer uma nova posição para continuarmos. Andávamos sem parar de nos tocar. Carlos ia com a mão alisando minha bunda e eu com a mão no pau dele.

A sensação que tínhamos ao andar pelados, ao ar livre, dentro daquela vegetação era boa demais. Estávamos livres, completamente livres ali. E isso nos excitava mais ainda. Mesmo andando e procurando um novo local o nosso tesão não baixou . O pau dele continuava muito duro e a minha buceta completamente desejosa por mais sexo.

Encontramos outra árvore que nos pareceu adequada e começamos de novo. Um dos galhos da árvore era baixo e Carlos me carregou e me sentou no galho. Escorreguei minha bunda para frente e me abri toda pra receber o meu homem, que veio com muita sede enfiar-se todo em mim, socando fundo, com força e uma velocidade impressionante. Eu berrava de tanto que gozava e cada berro meu deixava Carlos mais excitado e com mais vigor.

A posição que estávamos permitia que olhássemos o pau dele enfiando em mim e isso nos deixava mais loucos ainda. Eu, sentada naquele galho de árvore, nua e toda arreganhada pro meu homem. Ele me segurando pelos ombros e me inclinando para a frente garantindo meu equilíbrio naquele galho. Nos deliciávamos com a cena da nossa própria foda, além de vermos o meu gozo escorrendo pelo galho e pingando na areia. Uma sensação indescritível.

Carlos não agüentou mais e gozou, derramando e me enchendo com a sua porra.

Ficamos ali, na mesma posição, abraçados um ao outro, em silêncio, sentindo apenas as batidas fortes do nossos corações acelerados. Nossa companhia eram o vento, o canto de alguns pássaros que por ali estavam e, ao longe, o barulho do mar.

O desejo era tanto que, mesmo tendo gozado, Carlos continuou com o pau duro. Quando percebi isto logo me estimulei a continuar. Agarrei aquele pau com sofreguidão. Era a minha vez de colocar pra fora tudo o que se passava na minha cabeça quando ele me comia daquele jeito e comecei a fazer o movimento de vai e vem com a minha mão no pau dele, ao mesmo tempo que o olhava nos olhos e dizia: esse é o pau do meu macho, do meu homem gostoso, é esse homem que eu amo, é esse homem que eu quero todo dentro de mim, esse é o melhor macho do mundo, fica durinho pra mim meu homem, fica durinho pra continuar a socar forte dentro da bucetinha da tua puta, fica que tua puta adora isso, vem, enfia em mim de quatro agora, enfia fundo, mete tudo e faz tua puta gozar muito.

Ao tempo que dizia essas coisas sentia o pau ficando mais duro na minha mão. Carlos então me virou de costas e me acomodou no galho da arvore. Me inclinei para frente e empinei minha bunda para cima. Carlos abriu a minha bunda com as mãos, me arreganhando toda e colocou a cabecinha do pau na entrada da minha buceta, começando um movimento de vai e vem lento, enfiando só a cabecinha. O prazer que sentia com aquilo era grande demais. Ele foi enfiando mais e mais, bem devagar, até entrar até o fim. Carlos socava minha buceta com o pau e eu gozava sem parar. Sentia o meu gozo escorrer pelas minhas pernas e gritava de prazer.

Enquanto enfiava o pau em mim, Carlos se deliciava com a cena de minha bunda toda empinada e aberta pelas mãos dele. Isso o estimulou a tal ponto que então melou o dedo na minha buceta e enfiou no meu cu. Fiquei ali recebendo o pau do meu macho na buceta e o dedo no cu, gozando mais e mais com isso.

Depois de um tempão enfiando em mim Carlos gozou e gritou como nunca o tinha visto gritar. Foi um grito animal, vindo de dentro de suas entranhas. Um grito que demonstrava o quanto de prazer ele estava sentindo com aquele gozo.

Minutos depois retomamos a consciência da realidade e nos demos conta de quanto tempo tinha passado: quase duas horas. Nos demos conta também de que estávamos melados, sujos e cheirando a sexo... e não tínhamos onde e como nos limpar.

Vestimos a roupa e voltamos para o carro. Pegamos o que tinha no carro e nos limpamos, mas o cheiro de sexo continuava forte. Não tínhamos como resolver aquilo mas, devido o adiantado da hora, nos despedimos e retornamos para a cidade.

No caminho o nervosismo começou a tomar conta de mim. Não conseguia pensar em nada para dizer que justificasse a minha ausência por tanto tempo numa cidade onde não se leva 30 minutos para andar de carro por ela toda. Procurei me acalmar e pensar mas não vinha nenhuma idéia.

Quando passei perto da farmácia vi o carro do meu cunhado estacionado e logo imaginei que estavam procurando por mim. Percebi que seria a oportunidade de pelo menos não ser pega com cheiro de sexo e esperma grudado no meu corpo quase todo.
Aumentei a velocidade e fui direto para casa. Chegando lá entrei rapidinho e corri para o banheiro. Embaixo do chuveiro me acalmei e tive a idéia do que iria dizer para não levantar suspeitas.

No final tudo deu certo. Carlos e eu tivemos pelo menos essa tarde de prazer inesquecível.

9 comentários:

Blog Minhas Lindas disse...

Olá!

Vcs já conhecem o nosso blog? É um blog voltado para mulheres onde falamos de tudo que nos interessa ou pode nos interessar..

Somos três amigas que encabeçam o blog e achamos suas fotos simplesmente lindas e queremos te convidar para ser " A Linda da Semana", pois acreditamos que vc pode nos contribuir muito com suas experiências.

Essa semana temos "Maris", estrelando essas sessão, semana que vem teremos a Sra RP também do sexlog, além da Laura e mais algumas que não estão dentro desse site mas que já irão aparecer, e claro nós mesmas faremos nossa participação.

Toda segunda é publicado um perfil da Linda e na sexta sai uma entrevista cheia de perguntas bacanas e pertinentes para nossas internautas, buscando sempre manter o bom gosto e troca de experiências de cada uma.

Visite nosso blog, participe dos comentários sempre divertidos e ficamos na torcida que vc tope.

www.minhaslindas.blogspot.com

Um super beijo!

Carol disse...

Olá...vi seu link no blog da Rosegatta e não resisti...Uauuu seus textos são D+++ com certeza voltarei ..
Bjos
Carol!

DELÍRIOS disse...

DESEJOS ARDENTES

Quero nos teus braços ser acarinhada
nos teus beijos encontrar todo amor
desnudando minha alma apaixonada
e alucinada para sentir o teu calor.

Te quero pomposo e imperioso
libertando todos os meus desejos contidos
com teu jeitinho atrevido e malicioso
provocando em mim suspiros e gemidos.

Permita-me te amar ardentemene
saciando as minhas desvairadas fantasias
toma-me nos teus braços com desejos ardentes
e grave em mim a marcas das tuas ousadias.

Faça-me prisioneira de todos os teus carinhos
meu corpo inquieto clama por paixão
quero a chama de todos os ninhos
e teu corpo como lavas de um vulcão

Bjus iluminados e perfumados de Delirios...

roseggata disse...

Fabynha, este sim foi um encontro para nunca mais ser esquecido, como e gostoso um amor clandestino, o encontro as escondidas, o sexo satisfeito...bela estoria para ser lida e relida diversas vezes com muito tezão...
beijosss...
Obs: perdi meu template, não deu pra recuperar, agora vou tentar achar todos os amigos novamente para adiciona-los...

Vity disse...

Ola....

As vezes, ou sempre, é mais importante a intensidade com que se vive um momento ... do que viver muitos....

Beijocas
Vity

Menina do Rio disse...

Uau!!! Exitante demais!!!!!

beijos

AMOR&TERNURA disse...

"Claramente,
Nitidamente
Te vejo.
Esperançosamente,
Pacientemente
Te aguardo.
Timidamente,
Sofregamente
Te beijo.
Ansiosamente,
Atentamente
Te dispo.
Loucamente,
Ardentemente,
Te aperto.
E finalmente,
Te provo
Profundamente."

BEIJOS TERNURA...

Kasal RP disse...

Encontramos seu blog pelo Minhas Lindas e nos deliciamos com os textos!!! Parabéns mesmo...

Vamos aos poucos ler todos...

Também temos um blog; www.kasalrp.com nos faça uma visitinha!
O que acham de trocarmos links???

Nosso email é kasalrp@kasalrp.com

Bjssss gostosos.

Anônimo disse...

Mas que deliciosa descrição de um momento de amor