domingo, 3 de junho de 2007

Primeiro encontro nas férias


Mês de férias!
Praia e diversão. Alegria e descontração.

Carlos e eu passávamos férias no mesmo local. Ele com a família dele, claro, e eu com a minha. Adorávamos este local. Cidade pequena, praia linda, muito peixe, vida descontraída. Praia o dia todo e a noite, depois de uma boa soneca no retorno da praia, passeio pela praçinha e esticada mais tarde nos quiosques à beira-mar, para escutar uma boa música, tomar umas cervejas e dançar.

Havíamos planejado uns encontros furtivos nos dias em que estaríamos lá. Eu iria sozinha com as crianças, me hospedar na casa de parentes do meu marido, mas, na última hora, o marido conseguiu uns dias de férias no trabalho e foi junto. Fazer o que? O jeito foi me conformar. E não deu para avisar o Carlos sobre isto.

O combinado era que quando um quisesse falar com o outro (não tinha celular naquela época) passaria de carro na frente da casa, daria duas buzinadas e voltas no quarteirão até que o outro aparecesse na porta e visse. Daí seguiriamos para o "ponto de encontro" acertado antes das férias: uma casa de conhecidos dele que estava praticamente abandonada, mas tinha um quintal enorme e que ninguém nos veria ali. Ele tinha a chave do portão, fez uma cópia da chave e me deu.

No dia em que cheguei na cidade já inventei uma história para ir de carro sozinha comprar algo. Passei em frente a casa dele e fiz tudo como combinamos. Na primeira volta na quadra Carlos já estava no portão e me viu. Segui para o ponto de encontro e 5 minutos depois ele chegou. Avisei que o marido tinha vindo e que ficaria difícil nos encontrarmos. Ele ficou arrasado, mas me levou para trás da casa já com a intenção de dar uma rapidinha. O pau dele estava quase saindo fora da sunga de tão duro que estava.

Falei que não podia demorar, que havia muito mato ali, era perigoso, podia ter cobra, insetos e eu tinha medo.

Mas o tesão era grande e ele me pegou de jeito, como sempre fazia. Me beijou gostoso na boca, dizendo que estava louco de saudade, que não aguentava mais de tesão por mim e me encostou na parede segurando meus braços por cima da minha cabeça, me imobilizando e tomando conta de mim. Começou se esfregando ao mesmo tempo em que me beijava a boca, a orelha, lambia meu pesçoco. Ele sabia que quando se apossava assim de mim podia fazer o que quissese comigo, e o quanto eu adorava isso.

Tiramos a roupa rapidinho e começamos a nos alisar, excitando-nos mais ainda. Carlos se abaixou, abriu minhas pernas e chupou minha bucetinha com sofreguidão. Ele estava saudoso mesmo, há 10 dias não nos viamos, pois as férias dele começaram primeiro que as minhas. Depois eu me ajoelhei e devorei o pau dele com a minha boca. Chupei muito, me deliciando, esfregando o pau na minha cara e depois no meu corpo todo. Ele estava quase para gozar, mas eu parei. Queria ele dentro de mim.

Carlos me levantou, me virou de costas e me fez abaixar do quadril para cima. Logo empinei a bunda pra cima e flexionei um pouco os joelhos para poder aguentar o tranco que eu sabia que viria. É impressionante a sabedoria instintiva que nosso corpo tem na hora do sexo, sabedoria esta que faz o corpo automaticamente se movimentar de modo a se adequar à foda.

Minha bucetinha estava toda melada de excitação, mas Carlos enfiou primeiro o dedo nela e me fez gozar. Ele já sabia o quanto sou tarada por uma gozada com dedinho.

Com uma mão Carlos me segurava pelos cabelos, como se estivesse montado em um cavalo e segurando as rédeas, e com a outra tapava minha boca, pois sabia que eu berrava quando gozava. Tinha uma casa ao lado e poderiam ouvir.

Mal estava me recompondo do gozo com o dedo, Carlos já foi enfiando o pau em mim. Na posição que eu estava sentia o pau dele entrar muito fundo e o prazer era enorme. Ele estava mesmo sedento, enfiava rápido e forte, me fazendo gozar sem parar. O gozo derramava e escorria pelas minhas pernas. Ele ficava louco quando me via gozar desse jeito.

Mudamos de posição porque eu estava sentindo uma leve dor na barriga, de tão forte e fundo que o pau dele entrava em mim. Virei de frente. Carlos levantou uma perna minha e enfiou de novo na minha bucetinha, me beijando com muita vontade e tesão. Fudemos assim mais uns 5 minutos, eu gozando sem parar, prá variar, até que Carlos gozou. Dessa vez fui eu que tapei a sua boca com as mãos para os vizinhos não ouvirem os berros dele.

Ficamos ali abraçados, com as pernas trêmulas, nos acariciando por mais uns minutinhos.

Carlos foi até o carro, pegou uma toalha de praia e nos limpamos. Fiquei nervosa, pois não podia voltar pra casa com cheiro de sexo no corpo e nao havia água ali para me lavar.

Vesti a roupa, Carlos saiu na frente, olhou se o caminho estava liberado e acenou para mim.

Peguei meu carro e retornei pra casa. No caminho percebi que não tinha comprado nada. Voltei, parei numa farmácia e comprei absorventes.

Ao chegar em casa todos estavam preocupados com a minha demora. Falei que a cidade estava cheia de gente, que a farmácia estava lotada, que demorou, etc e tal. Fingi que estava com vontade de fazer xixi e corri pro banheiro. Água, sabonete, perfume e pronto!

O outro encontro dessas férias foi mais emocionante e arriscado do que este.

Mas depois eu conto.

7 comentários:

roseggata disse...

Ola minha mais nova amiga! Adorei seu blog! escritos excelentes, muito erotismo, desejo e paixão!Excelente portugues sem erros, belas imagens, tudo muito perfeito! vc tem tudo para fazer sucesso no mundo blogueiro, esta de parabens!
se vc tiver um selo vou pegar e colar no meu template, ok?
beijos da amiga Rose...

João disse...

Olá
Antes de mais obrigado pelo teu maravilhoso comentários.

Quero dizer que me sinto muito lisonjeado por saber que sou lido por uma pessoa que tem nada mais nada menos que precisamente o dobro da minha idade tem muito significado pra mim. Não tomes como se tivesse a chamar velha, apenas estou a demonstrar a minha admiração, e ao contrário das portuguesas, e isso foi uma coisa que me chamou à atenção no Brasil, as mulheres brasileira com 40, 50 e algumas ate de 60 anos são um verdadeiro tesão de fazer crescer água na boca, e mais alguma coisa :) aos rapazes da minha idade. São um verdadeiro tesão...
Beijinhos e passa no meu sempre que quiseres.Será sempre bem vinda.
Vou adicionar-te aos meus favoritos

João disse...

Olha só um reparo.Não sei se foi engano teu ou não
O teu nome aparece como fabybha e eu acho que queria escrever fabynha.Verifica.
Beijinhos

Rafaela disse...

Olá!!Entrei aki por acaso e gostei muito do que li, vou voltar. Posso ?

jose62 disse...

Que conto delicioso...

Beijos molhados e
uma chupada intensa!!!

Tutank2 disse...

Mái Góde, ainda não conhecia este blog, foi-me sugerido e posso dizer que está um espectáculo. Tásse bem, parabéns.

AMOR&TERNURA disse...

FLOR DO PARAISO

Visto-me da tua memoria
e abraço o teu cheiro
flutuo e meu corpo levita agradecido
sonho com os teus braços entrelaçados
sorrio e sinto a alma tua colada e enternecida.

Acordo a tua ternura que espreita
em cada silaba do teu amor
soletro cada palavra devagar
e os teus olhos marejam de mar
mar de lágrimas doces
regatos de saudades, rios de amor
o teu corpo aquece e o espirito sorri
embevecido por saber-se uno.

Quando nos olhamos tudo faz sentido
e as palavras sorriem caladas
sabem que no olhar nosso
está toda a correnteza de amor
o olhar basta, a chama das sensações diz tudo
eu te beijo e agradeço o amor
que sopra no teu desejo...

Bjus de Luz perfumados de tulipas amarelas